Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

Adeus, Lucy – Clemente Rosas

Clemente Rosas

Lucy Alves, cantora e musicista.

Vejo muito pouco TV.  Quase que só noticiários, um ou outro programa esportivo, raríssimos filmes. Mas um dia (lá se vão cinco anos!), já deitado, tive a atenção despertada para o programa “The Voice”, em que uma mocinha cantava, acompanhando-se com a sanfona.  (Soube muito depois que era formada em música e tocava também violão, violino e piano).  E fiquei deslumbrado com o charme da sua simplicidade, da sua fala, do seu talento, da cor trigueira e do jeito de nordestina.  Cantava as melhores peças do nosso cancioneiro popular, com a presença dos pais, a quem cumprimentou, com carinhosa intimidade. Desde então, tornei-me acompanhante do programa, e acabei inconformado por haver ela perdido o primeiro lugar para um garotão que cantava canções em inglês.

Apesar de não ter sido a campeã do certame. Lucy Alves ganhou notoriedade, e foi logo atraída pelo palco televisivo, figurando, brilhantemente, em duas novelas da Rede Globo: “Velho Chico” e “Tempo de Amar”.

Mas eis que, dias atrás, fui surpreendido por reportagem de página inteira do jornal Correio da Paraíba (Caderno 2, 05.10.2018) sobre uma nova criatura: Lucy,  apenas Lucy, lançadora de um disco em estilo “pop eletrônico”, com o título de “Santo Forte”.  Ilustrando a página, a foto da nova cantora, fortemente “produzida” na linha “femme fatale”, a exibir, sobre o busto, as mãos com unhas pintadas de azul.  Ao longo do texto, explicações e justificativas pela mudança de diretriz, pelo abraçar de novos ritmos “mais modernos”, em relação promíscua com os tradicionais, nordestinos.  O sonho seria de uma carreira internacional, ao modo de Madonna, Shakira, Beyoncé  “e outras divas”, segundo cronista social paraibano de renome.

A novidade não me agradou.  Então a receita para a notoriedade internacional seria a simbiose dos nossos ritmos com os estrangeiros?  Já dizia o saudoso Ariano Suassuna: se se mistura uma coisa boa com uma ruim, não pode sair uma coisa melhor.  E os ritmos que nos vêm de fora são os “raps”, os “funks”, envolvendo canções de grande pobreza melódica e vocabular, quando não pornográficas, ou fazendo a louvação de drogas e de crimes.  Quando um pouco mais elevadas, exalam uma rebeldia desesperada, inconsequente, sem causa definida ou projeto.  Parece estar havendo uma deterioração do gosto musical do grande público, que despreza o estilo poético das canções do passado pelas invectivas, expressões chulas e deboches dos arremedos de canções de hoje.

E que destino terá a nossa musa paraibana, tão encantadora em sua autenticidade, nesse oceano revolto em que pretende navegar? Como no velho bolero “La Barca”, só lhe posso desejar, da minha praia “vestida de amargura”, que ao cruzar esses mares loucos, “não naufrague em seu viver”.

Mas temo que esse caminho não tenha volta.  Ao arriscar-se por ele, a sertanejinha da sanfona, tão original, tão nossa, desnaturou-se.  Agora é outra pessoa.  Não ouvirei seu novo disco.  Adeus, Lucy Alves.

6 Comments

  1. Ou seja, é preciso mudar a Lei Rouanet. Como a Lei Rouanet (que vi apelidada de “ruanele”) dá dinheiro para os já famosos, que poderiam se sustentar pelo mercado, a Lucy resolveu enfrentar o mercado. Quem sabe quando ficar mais famosa consiga algum patrocínio de empresa que desconta seu imposto e aplica nos termos da Lei Rouanet.

  2. Que notícia deplorável, Clemente. Eu também sou (ou deveria dizer fui?) fã incondicional dessa menina. Já não sei quantas vezes assisti na internet à sua interpretação deliciosa de “Feira de Mangaio”. Como atriz, também gostei de sua atuação em “Velho Chico”. Será caro, caríssimo, o preço que ela pagará pela falta de um olhar para dentro. E deploro que ninguém mais maduro tenha logrado convencê-la de que já ocupava um nicho esplendoroso, e que poderia ter seguido adiante sem fazer as concessões da natureza que descreve o amigo. Má notícia, meu amigo.

    Abraço,

    FD

  3. Você tem razão, Clemente.
    A menina paraibana Luci Alves, certamente não acredita em quem disse “Canta a tua aldeia e serás universal “.

  4. Ser e se manter autêntica é algo desafiante é a preservação do caráter inabalável é o imperioso burilamento da preciosidade que cultua e transborda quando mostra o talento construído ao longo da estrada que lhe forjou. Desviar desse caminho vem incertezas mesmo quando sucessos efêmeros aparecem mas se dissolvem. Lucy musa tslentosa que se desvia. Uma pena esse desfecho.

  5. “Raízes fortes me sustentam. Não me prendem ao chão.” Lucy Alves

  6. Agradeço os comentários. Vamos todos esperar o que o destino reserva para a minha antes querida conterrânea.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *