Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

O Som e Tudo Mais Ao Redor Na Cidade

Sonia Marques >

Cena do filme O Som ao Redor – Kleber Mendonça

Cena do filme O Som ao Redor – Kleber Mendonça

A maioria dos críticos elogiou o sentido de construção, bem como a utilização dos recursos sonoros ou ainda a direção de atuações excepcionais, ou seja, o que é próprio da matéria cinema. Mas disso, pouco entendo. Não sei porque, na árvore em frente à casa de Bia, naquele clima de bairro e de rua, lembrei-me de Vivement Dimanche, de Truffaut. É tudo. De cinema, não falo mais, pois, contra a tendência ao direito geral de expressão e de dar pitaco sobre tudo e qualquer coisa, assumo que sou do bloco que recomenda que o sapateiro não vá além dos sapatos!  Portanto, vou falar do enredo ou trama, do filme de um ponto de vista de moradora da cidade do Recife, bem como na condição de professora de arquitetura e urbanismo.

Devo dizer que ando revoltada com o rumo que tomaram os estudos urbanos e o urbanismo em geral, pelo menos nas publicações às quais tenho acesso. Ando sobretudo indignada com os discursos sobre a cidade, no Brasil, nos tempos que correm, depois que os diversos atores – professores, pesquisadores, consultores – que reivindicavam adotar um pensamento de esquerda tornaram-se autoridades e responsáveis pelas políticas urbanas. Como muito bem dizia Daniel Pécaut, no seu muito arguto livro sobre os Intelectuais no Brasil, que tanto desgostou os atingidos, é impressionante a capacidade que tem/ temos os brasileiros de “estarmos” governo e, no dia seguinte, nos desresponsabilizamos e nos travestirmos em “sociedade civil” contra as autoridades. E assim é, entram e saem ditaduras. Entre o povo e a nação é o título do livro de Pécaut, que foi publicado em 1989, mas continua de uma grande atualidade. Falar em nome do povo, na sociedade brasileira, é um dos esportes favoritos de políticos e intelectuais (às vezes confundidos na mesma pessoa, pois a sonhada autonomia de Manheim nunca teve vez por aqui). Políticos e intelectuais, grandes e pequenos, orgânicos ou inorgânicos, cosmopolitas ou provincianos, aqui todos falam pelo e em nome do povo. Mas a noção de povo aqui é um pouco especial, particular. Nos Estados Unidos, por exemplo, quando se fala do povo, a frase é inclusiva: we people. No Brasil, país onde o furor da “incruzão sociar” é ubíquo, o povo são os outros, e, na maioria das vezes, os pobres. Povo, pobre e pedestre, a despeito do que registram Aurélio e Houaiss, são sinônimos, no nosso patropi. Não é, portanto, de espantar que, numa reportagem local, algo no gênero de  Globo Nordeste, pouco antes do carnaval 2013, o repórter, falando diretamente da prefeitura do Recife e espantado com a descoberta de uma cidade desconhecida para ele, perguntava aos ouvintes se eles teriam coragem de ir ao centro, de mostra-lo aos turistas ou familiares residentes alhures.  É possível que o repórter – como muitos pertencentes ao mesmo gueto onde ele vive – nunca tenha tido realmente a ocasião de por os pés no centro da cidade, além de um salto por ali, ao redor do marco zero, sobretudo em tempos de carnaval. Com certeza, ele não conhecia o centro da cidade e falo do centro estendido, Bairros do Recife, São José, Santo Antônio e Boa Vista, pelo menos, fora do carnaval. Deve ser um jovem cidadão típico da vivência nas chamadas novas centralidades. Nisto, ele não está só.  Muitos urbanistas e colegas vem denunciando o fato de que as pessoas abandonaram o centro, abandonaram as ruas, mas parecem desconhecer que, nestes bairros, como em muitos outros bairros populares, o povo está, vive, trabalha, come e muitas vezes dorme nas ruas. Onde não estão as “pessoas”.  Mas que sutil diferença entre o povo e as pessoas!! Essas pessoas da sala de jantar… Pois é, como bem indicou Flavio Villaça nunca os centros da cidade estiveram tão cheios de vida, nem as ruas, no centro e nos bairros populares: onde está o povo. Onde está o povo, ao que parece, não estamos nós, intelectuais e acadêmicos que, ainda por cima temos o topete de falar em nome dele, insistimos em dar voz aos que não teriam, aos oprimidos. Além disso, ajustamos nossos discurso urbanístico às conveniências das políticas públicas: ora o povo é rei e sabe fazer melhor do que todos os técnicos, que morreram de estudar. Então deixa-se construir as gambiarras de qualquer jeito. Ora, precisamos educá-los, auxiliá-los, então vamos prestar assistência técnica para a habitação popular sair menos ruim. Institucionalizamos, com maestria, o direito à cidade, numa versão tropical que talvez muito regozije Lefebvre no seu túmulo. Será?

O cidadão de segunda categoria, tem direito à cidade de segunda categoria, como nas ZEIS. E todo mundo vive bem. O Entra a pulso, Zeis ao lado do shopping center Recife, deste se beneficia e se gentrifica, consolidando um padrão urbano de convivência social exemplar.  No meio, há um fosso com esgoto aberto, mas quem chega no shopping a pé? Os grandes empreendimentos de luxo convivem com a gambiarra urbana. São as cigarras junto das formigas, para utilizar o termo do livro de Pierre Salama, saído em 2012, cuja capa bem expressa isso. O complexo empresarial do Pina, com suas belas torres, brotando como cogumelos, ao lado da ZEIS de Brasília Teimosa também é um belo exemplo desta nossa tolerância que ergueu necessidade em virtude. Os acadêmicos louvam o padrão precário tanto das ZEIS quanto de empreendimentos do Minha Casa, minha vida, mas lá não moram!!As discussões sobre acessibilidade, mobilidade urbana são para o povo. Por que na lógica deste padrão dual, os que  já tem um lugar ao sol, nome do excelente documentário de Gabriel Mascaró sobre os felizes moradores de coberturas, pouco estão se incomodando com a cena  pública. As calçadas em frente às suas torres podem estar esborrachadas, deixando ver os esgotos  ao vivo, pouco importa. Em sua grande maioria, eles nem veem pois saem nos 4×4, com motorista, que cuidarão de estacionar o carro. É verdade, há muito engarrafamento na cidade, mas, com um pouco de jeito, andando em certos horários ou, quem sabe, com os próximo oito viadutos (o modo mais rápido de ir de um engarrafamento para outro, já dizia o urbanista)  a coisa vai melhorar. Além disso, há um outro meio, jatinhos e helicópteros para as cigarras;  motos para as formigas[1]. Em Um Lugar ao sol (2009) documentário e, depois  com o híbrido Avenida Brasília Formosa (2010), Mascaro mostrava, respectivamente, o lado das cigarras e das formigas, uma verdadeira aula de urbanismo.  Poderíamos retomar ambos em nossas mentes, fusioná-los e colocar os personagens de Brasília Teimosa chegando, de moto ou em calhambeques, para prestar serviços diversos aos moradores das coberturas, enquanto sonham em vir a ser um deles. Ah! O que seriamos nós sem nossos sonhos?

Mas o que tem este meu desabafo a ver com o Som ao Redor, o filme de Kléber Mendonça? Tudo. Mascaro registrou dois mundos dos quais no cotidiano, a classe média vive relativamente  afastada: o dos muitíssimos ricos e dos mais pobres. Para ambos, sua câmara foi carinhosa, num olhar que não chega a ser cúmplice, mas que é compreensivo, cheio de afeto.

No Som ao redor, a câmara de Kléber é neutra, distante, implacável. É assim pelo menos que eu senti chegar o universo urbano de classe média, que complementa aqueles dois opostos, apresentados nos filmes de Mascaro. Nem colorido e pitoresco como Brasília Teimosa, nem aberto a céu e mar, como um Lugar ao Sol. O universo da classe média, retratada por Kléber é engradeado e embanheirado[2].

Acerto de contas: Justiça ou vingança?

Mostradas no filme, as mudanças urbanas contemporâneas, bem como as relações de poder e, sobretudo, as relações domésticas de trabalho, foram destacadas por muitos críticos, como Marcelo Hessel[3] e César Zamberlan[4]. Este último, aliás, identificou, no filme, o retrato de:

 algumas mudanças sociais bastante interessantes, com a ascensão de uma nova classe média,  [e]ainda que não consiga ou não mexa diretamente com as questões de base, as questões históricas de poder, seja dos senhores de engenho e seus crimes do passado, seja dos torturadores que agora começam a ter seus crimes revistos – fato que não está no filme, mas se encaixa num contexto bem próximo.

Viu ainda Zamberman, no acerto de contas que encerra o filme, uma pista de que as relações cordiais, no sentido tratado por Sérgio Buarque de Holanda, estariam mudando ainda que lentamente.

Não vi nada disto. O que, para mim, é um dos muitos méritos do filme, e reside,  como bem assinala Pablo Villaça [5]: [n]a ironia fina do cineasta que, ainda mais importante, não se preocupa em martelar sua mensagem na cabeça do espectador.

Qualquer que seja o  sentido que se possa dar ao final do filme, ao chamado acerto de contas, e ainda que o cineasta não faça proselitismo, uma coisa exala, entretanto, na minha leitura: nesta sociedade da cordialidade, como ressaltou Buarque ou do sincretismo e afeto, como ressaltava Gilberto Freyre, ninguém (ou quase ninguém) quer justiça. Todos querem vingança.

Assim, na minha leitura, não houve acertos de conta. Se ouvimos os sons que sugerem um crime, na verdade, muitos outros desfechos são possíveis. Aposto numa violência ameaçadora, mas que será seguida de um novo arranjo entre seu Francisco e Clodoaldo, como símbolo do arranjo que efetuam, atualmente, as chamadas novas classes médias urbanas – ou os “incruídos” – e as oligarquias poderosas antigas. Ou seja Um Som ao redor, parteII.

Recife e o aggiornamento de Casa Grande e Senzala.

Nesse sentido, para mim, os personagens de Kléber são verdadeiros arquétipos. No meu prédio, como em todos os prédios que frequentamos, há os Clodoaldos, zeladores e/ou flanelas assassinos que nos ameaçam, na ambivalência de uma cordialidade buarquiana. Há também seus Franciscos, é claro, que também estão ameaçados pelos Clodoaldos, que tentam cooptar. Há ainda os seu Agenor, porteiro velho que não dá mais conta, bem como os sobrinho de seu Francisco, o bonzinho, corretor, meio ai que preguiça” e o primo, ladrão e marginal. Os empregados domésticos, como os que temos – com PEC ou sem PEC, vemos, longe de uma relação contratual e profissional, desenvolvem uma relação afetiva com patrões,  trazem os filhos, entram por casa a dentro, faltam, ajeitam-se. Por outro lado, tal como João, o patrão, nossos cuidados com os empregados, não ultrapassam, como diz Villaça, “a condescendência cega, absurda e, mesmo [quando] bem intencionada, ofensiva. Penso, como este crítico, que o filme retrata sobretudo a incerteza da velha classe média urbana tradicional, acuada, de um lado com a ascensão da chamada nova classe média e, de outro, pela grande concentração de renda nas mãos dos mais ricos.  A dicotomia Casa Grande Senzala, que havia tomado as feições de sobrados e mocambos reproduz-se agora, no nível urbano, entre as ZEIS ou as comunidades e os grandes imóveis de luxo, vivendo lado a lado. Uns constroem e são proprietários do shopping center Rio Mar e os outros se endividam nas casas Bahia.

Neste meio, a velha classe média, apertada, engradeada e, sobretudo, amedrontada. A casa derrubada, como lembra Villaça, é uma metáfora. Poderíamos dizer que derrubado foi todo um projeto incipiente da modernidade, como bem documentou, em arquitetura, Luiz Eirado Amorim. Por isso, no lançamento do livro de Guilah Naslavsky, quando Marco Antonio Borsoi falava do quão nostálgico parecia o registro da arquitetura pernambucana até 1972, lembrei do filme de Kléber Mendonça.

Fruto de uma arquitetura moderna tardia, em geral de qualidade inferior, os apartamentos do filme são quase todos iguais, com a mesma cerâmica, a mesma configuração espacial, a mesma decoração das salas e, sobretudo, a organização da cozinha!! Tudo parece conhecido, como se houvéssemos estado em todos eles!! Como tudo é familiar, não apenas porque conheço Rejane Rêgo, a compradora potencial de um apartamento, ou outros artistas do filme como Mucio Jucá, Yannick Ollivier e Dida Maia.

O final é aquela sensação de desespero, impotência. Como Sofia, queremos ir embora, ter outra estória.  Porque a única forma de suportar esta cidade é fazendo um filme, para quem sabe fazer, e se fizer bem, como Kléber, só mesmo agradecendo!



[1] Segundo a Folha de Pernambuco, http://www.folhape.com.br/cms/opencms/folhape/pt/edicaoimpressa/arquivos/2012/08/14_08_2012/0045.html, em material rebocada da Folhapress,  dentro de dois anos, o Brasil possui hoje a segunda maior frota da aviação geral – conta que inclui helicópteros e turboélices -, mas a terceira de jatos executivos. São 719 jatos, segundo a Embraer, ou 623 pelas contas da Associação Brasileira da Aviação Geral (Abag), deve passar o México e se transformar no segundo maior mercado de jatos executivos do mundo.

[2] Para usar a expressão da professor Edja Trigueiro para esta onipresença das cerâmicas que recobrem fachadas e muros urbanos.

[3] http://omelete.uol.com.br/cinema/o-som-ao-redor-critica/

[4] http://www.revistainterludio.com.br/?p=5124

[5]http://www.cinemaemcena.com.br/plus/modulos/filme/ver.php?cdfilme=12501

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *