Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

A democracia desarmada – Editorial

Editorial

Protesto nas ruas de Vitória, ES, durante a greve da Polícia Militar.

 

Seria grotesco se não fosse trágico: um grupo de mulheres decide fechar os portões dos quartéis da Polícia Militar e, simplesmente, desarma o Estado e a democracia brasileira. Os mais de dez mil homens treinados, armados e pagos pelo Estado, com os impostos gerados pela sociedade, amotinam-se nos quarteis, quebrando a disciplina e a hierarquia. E a sociedade fica totalmente vulnerável diante do crime organizado, muitíssimo bem armado, de grupos de extermínio e de saqueadores. Em 13 dias de greve disfarçada da polícia, o Estado do Espírito Santo registrou 147 homicídios, quase três vezes o registrado em todo o mesmo mês do ano passado, que foi superado em apenas dois dias (5 e 6 de fevereiro), antes da entrada em cena das Forças Armadas. Em Pernambuco, mesmo com um plano governamental para aumento dos salários, centenas de policiais reunidos no pátio da Assembleia Legislativa, onde se discutia e foi aprovado o referido plano, desafiavam as instituições com ameaças de paralisação durante o Carnaval. “Não vai ter Galo”, era o grito de guerra, animado por uma liderança em cima de um trio elétrico. Embora não fale em greve, o movimento propõe uma operação padrão, que poderá reduzir drasticamente os contingentes, em dias de enorme aglomeração e de riscos de violência. Os policiais de todos os Estados do Brasil, em diferentes graus, têm razões para o descontentamento com os baixos salários e as condições de trabalho, numa atividade profissional tão arriscada. Mas não é absolutamente aceitável a paralisação de um serviço de altíssima importância para a segurança pública, a ordem social e a vida dos cidadãos. Não é aceitável tampouco que milhares de homens treinados e armados amotinem-se nos quartéis e se recusem a cumprir sua missão, e mesmo as ordens da hierarquia da instituição. Desarmando o Estado, as greves da Polícia Militar são uma ameaça grave à democracia brasileira.

2 Comments

  1. Bom dia. Até concordo com o que diz o Editorial mas, é bom lembrar que, apesar da população pagar por isso, a culpa, pelo menos aqui no ES, é do governo do estado, pelo descaso com a nossa PM. Alegação que não há dinheiro. É infundada. Se pode fazer um a renúncia fiscal na monta de mais 4 bilhões, a justificativa é falsa.

  2. Eu só queria saber qual é o salário, os penduricalhos, a quantidade de anos que um policial deve trabalhar e outras vantagens. Não é só em relação aos policiais, essa minha curiosidade,ela se estende por todo o funcionalismo público e os trabalhadores das estatais.
    Dizem que nas estatais os trabalhadores ganham “Participação nos Lucros” mesmo em anos em que a empresa apresentou prejuízo,será verdade?
    Permitam-me dar um outro exemplo: os Desembargadores ganham auxílio moradia de R$ 4.300,00 e mais vale alimentação, e mais, carrão preto com motorista, e mais, um mês de recesso, e mais, aposentadoria integral, e mais,… ambulatório médico-odontológico, e mais sei lá o que…
    Eu gostaria muito de ver uma matéria sobre esses assuntos na SERÁ?

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *