Pages Navigation Menu

Penso, logo duvido.

A péssima imagem do Brasil – Editorial

Editorial

Nem a melhor campanha publicitária pode vender um produto de baixa qualidade. Esta obviedade vale para um país que precisa construir uma imagem internacional positiva como meio para facilitar os entendimentos diplomáticos e as negociações comerciais. O Brasil sempre teve credibilidade e respeito nas relações internacionais graças uma diplomacia competente e a postura independente nos conflitos internacionais. Mas a imagem do Brasil depende também das condições internas do país, da estabilidade política e jurídica, da consolildação das instituições democráticas, do respeito aos direitos humanos e, não menos importante, da conservação do meio ambiente.

No caso brasileiro, a política ambiental tem um papel decisivo na imagem internacional por conta da emblemática Amazônia. Desde que assumiu o poder, o governo Jair Bolsonaro detonou todos os fundamentos de uma imagem positiva do Brasil no exterior. O presidente da República continua minimizando o desmatamento da Amazônia, mesmo quando o INPE-Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais anunciou que, nos cinco primeiros meses deste ano, ocorreu a mais extensa destruição da floresta, desde 2015.

E quando um grupo de grandes Fundos de Investimento adverte que podem suspender investimentos no Brasil se não houver uma “regulação estável e previsível e o arcabouço ambiental” alinhado com a sustentabilidade, o que diz o presidente? A imagem do Brasil no exterior não está boa por causa da desinformação.

Não, senhor presidente, a imagem está péssima pela sucessão de incompetência e ignorância do seu governo, do desmantelamento das instituições de controle ambiental e, mais particularmente, da política externa engatada em Donald Trump. Pra não falar da anti-política de saúde diante da pandemia. O mundo está muito bem informado sobre tudo isso e não pode levar a sério o Brasil.

3 Comments

  1. Lembro o papel do MRE e Itamaraty na formacao da imagem externa do pais.

  2. Sob a pressão de grandes empresários brasileiros que se interessam por exportar, o Gal. Mourão disse ontem (depois que este editorial estava publicado) que o governo vai fixar metas para reduzir o desmatamento. Mourão também prometeu ação para a regularização de terras da União e do INCRA. Regularização fundiária é algo necessário, desde que não seja a regularização da grilagem e da ocupação ilegal. O problema é que é bem difícil um mesmo governo que destruiu a boa reputação ambiental do país conseguir reconstruir essa reputação. A ação do Exército na Amazônia vai conseguir o que fiscais do IBAMA desautorizados pelo governo não conseguiram? Os empresários insistem bastante que produção e preservação podem conviver, assim como a solitária Ministra Teresa Cristina, da Agricultura. Oxalá que para as queimadas funcione a quarentena desse semestre.

    • E Ricardo Sales, hein?! Não sabe que a Mata Atlântica não é a Floresta Amazônica. Difícil consertar a reputação ambiental do país mantendo esse Ministro do Ambiente, pois a opinião pública internacional não percebe esse detalhe de que o Conselho da Amazônia está fora do Ministério do Meio Ambiente.

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *